sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Resenha: Se Você Me Visse Agora - Cecelia Ahern

Mais complicado do que uma família problemática e uma vida previsível é a incapacidade de lidar com as próprias emoções, mas Elizabeth Egan parece não se dar conta disso. Até que a chegada de um homem vai ajudá-la a enxergar o mundo e a si mesma de outra maneira.
Editora: Rocco
ISBN: 9788532523228
Ano: 2011
Páginas: 304
Tradutor: Angela Pessôa

Minha maratona de leitura do ano começou com este livro que, confesso, me chamou a atenção por dois motivos: o primeiro foi a capa que simplesmente achei curiosíssima! Um cara de pernas pro ar no meio do mato é no mínimo algo pra se olhar duas vezes... Agora, imaginem o meu queixo caído quando li a sinopse e descobri que um dos protagonistas é um amigo imaginário!!! Nem preciso dizer que saí da livraria abraçada com o livro...


Quem me conhece sabe que amo tudo que tem a ver com sobrenatural e embora Cecelia Ahern não pertença ao clube desse gênero, gosto da maneira como ela sempre insere um tipo de conexão “fora do comum” no meio de suas estórias.


O livro retrata a vida monótona, metódica, rotineira e sem graça de Elizabeth Egan, uma designer de interiores que despreza cores fortes, projetos criativos e lúdicos, objetos de decoração divertidos... enfim, tudo que foge ao preto, branco, marrom e bege! Na verdade, Elizabeth odeia tudo o que remeta a sonhos, fantasias e faz de conta. O motivo? Bem, digamos que a soma de mãe criativamente irresponsável + pai omisso que finge que está tudo bem + irmã aventureira inconseqüente não resultou em um  “felizes para sempre”. Forçada a amadurecer cedo demais e assumir responsabilidades que iam além da capacidade de uma menina, Elizabeth cresceu focada na missão de ser a “normal” da família. A responsável por tudo e todos. A cidadã exemplar. A profissional de sucesso.  A exigente, sóbria, chata e incapaz de demonstrar afeto sem achar que é falta de ética...


Até aí, você pode estar pensando “que personagem antipática! Por que eu leria isso?”. Ok, eu explico: Elizabeth abriu mão de muitas oportunidades na vida, inclusive do amor, pra dar um jeito de consertar as burradas da irmã Saoirse. Até mesmo assumir a criação de Luke, seu sobrinho de cinco anos de idade, que Saoirse mal se deu ao trabalho de colocar no mundo. E é Luke, um garotinho esperto e solitário, que atrai Ivan para a vida dos dois. Ivan, o amigo que super não entende por que todo mundo se refere a ele como “imaginário”ou “invisível”,  é um personagem cativante. Bem humorado, compreensivo, capaz de te fazer esquecer os problemas e ser feliz. Pura e simplesmente feliz. E o melhor de tudo? Ele aparece sempre quando você mais precisa!


O trabalho de Ivan (sim, por que ser amigo imaginário é um trabalho) a princípio era o pequeno Luke. Mas logo, a cética Elizabeth, consegue perceber sua presença e o confunde com um homem real. E é aí que começa uma trama deliciosa, repleta de imaginação, confusão, romance, drama e lições que nos fazem parar e refletir sobre nós mesmos. O quanto as vezes deixamos passar coisas simples e boas da vida, o quanto esquecemos que simplesmente sorrir e respirar já é meio caminho andado pra resolver tudo...


Na minha opinião o texto da autora flui de maneira fascinante: hora no presente, hora no passado; no ponto de vista de um personagem, depois de outro; o mundo de Elizabeth e o mundo de Ivan. Tudo separado e junto ao mesmo tempo. E Ivan, bem, ele me fez ver os “amigos imaginários” com outros olhos... sim, por que antes desse livro se alguém falasse com um amigo invisível, pra mim, das duas uma: esquizofrenia ou mediunidade... kkkkkkkk
Então, obrigada Cecelia Ahern por me apresentar um outro quadro.
Posso falar? É de rir, de chorar, de torcer. Vale a pena dar uma chance!

1 comentários:

Mariana disse...

Adoro a forma que a Cecelia consegue inserir elementos 'fantásticos' em seus livros.
E Ivan é o amigo imaginário mais cute do universo S2
Bjs
Mari
Psychobooks

Postar um comentário