terça-feira, 1 de maio de 2012

Resenha: Amante da Fantasia - Sherrilyn Kenyon

É de se imaginar que algo esteja errado quando você compra um livro e de repente todo mundo começa a questionar seu bom gosto ou até sua sanidade mental... Passada a euforia da compra, você olha a obra em suas mãos e tenta justificar dizendo que “a capa é meio esquisita, mas a estória parece ser boa...” ou “É o primeiro de uma série super famosa!!!” ou ainda “Todos os blogs que eu visitei, falaram super bem!!!!!!”...  Você até enfrenta os olhares desconfiados e impõe a sua determinação, certa de que todos estão sendo preconceituosos. Mas, depois da experiência de conhecer Julian da Macedônia, me dei conta de que preciso rever meus conceitos urgentemente... Por que das duas, uma: ou eu estou me tornando uma leitora chata e intransigente ou então não estou sabendo filtrar opiniões. Juro, tô me sentindo uma ET... Culpada, até, pois não conheci ninguém que não tivesse dado muitas estrelas na avaliação de O Amante da Fantasia (Saga Dark Hunter) e seguindo na contramão dessas análises literárias, preciso ser sincera e dizer que eu não caí de amores pela estória do guerreiro espartano que foi aprisionado como escravo sexual em um livro...

Ok. A descrição que acabei de fazer da estória é um pouco constrangedora, mas o livro é exatamente sobre isso! Julian da Macedônia era um poderoso general dotado de força e coragem inigualáveis. Temido e respeitado, não conheceu um inimigo que não pudesse abater em seus campos de batalha. Sua inteligência, habilidades e estratégias o elevaram ao patamar de lenda viva. De fato, Julian era um abençoado pelos deuses. Filho de Afrodite, a deusa do amor e do general Diocles de Esparta, foi agraciado com inúmeras dádivas do Olimpo, inclusive uma beleza tão perfeita e vigor tão aflorado que o tornou um homem cujos encantos nenhuma mulher seria capaz de resistir. Contudo, Julian não teve o principal em sua vida: o amor. Como filho bastardo de uma deusa, cresceu em regime espartano sem a presença materna, nas mãos de um pai violento que o odiava pela sua aparência e pelo efeito que causava nas mulheres, especialmente em sua madrasta... Sem se resignar ao destino solitário que o aguardava, Julian ousou cobiçar Penélope e sem perceber se colocou numa teia de acontecimentos que resultou numa terrível maldição: foi aprisionado em um livro onde passaria a eternidade servindo como escravo sexual cada vez que fosse invocado, não sendo nada além de um objeto para ser usado e sem sequer poder “aproveitar” a situação.

Dois mil anos depois, o livro, ou melhor, Julian foi parar nas mãos de Grace, uma terapeuta sexual, extremamente traumatizada e frustrada sexualmente por conta de uma experiência dolorosa do passado. Sua melhor amiga Selena, metida a cartomante e especialista em História Antiga, acaba descobrindo o conteúdo do livro e se convence de que esse seria o presente perfeito para tirar amiga da “seca”. Depois de muitas garrafas de vinho, Grace entra na onda de Selena e topa fazer o papel ridículo de invocar aquele “verdadeiro deus grego” da capa do livro para ser seu amante por um mês... E qual não foi a surpresa de Grace quando deu de cara com o cidadão nu em pelo no meio de sua sala!!! Contrariando todo seu bom senso e seu ceticismo, Grace tem que lidar com um homem que não pensa em outra coisa a não ser satisfazê-la. E Julian, por sua vez, encontra algo que nunca viu: uma mulher que não deseja usá-lo.

“Ordeno que se erga” – ela disse, agitando as sobrancelhas. Selena bufou. “Não é assim que se faz. Precisa dizer o nome dele três vezes.” Grace endireitou-se. “Escravo sexual, escravo sexual, escravo sexual.” Com as mãos nos quadris, a amiga encarou-a.“Julian da Macedônia.”“Ah, me desculpe” – Grace apertou o livro junto ao peito e fechou os olhos. “Venha e alivie minha virilha dessa dor, grande Julian da Macedônia, Julian da Macedônia, Julian da Macedônia”.— Depois, fitou Selena. “É difícil dizer isso depressa três vezes.”

De cara essa combinação de “deus grego” e “escravo sexual” na mesma sentença já me deixaria de orelha em pé com a estória, uma vez que não sou fã do tão falado romance de banca. Antes que você possa pensar, quero deixar claro que não sou nenhuma puritana... muito pelo contrário... Mas é que não vejo como expressões no estilo “membro intumescido” ou “centro do seu prazer” possam acrescentar alguma coisa na minha vida literária. Abro uma exceção aqui para a Irmandade da Adaga Negra que são romances sobrenaturais extremamente sensuais, e que gosto muito apesar de esse não ser exatamente meu tipo de leitura. Foi inclusive por causa de IAN que dei uma chance a Amante da Fantasia que, confesso, do ponto de vista do entretenimento é uma leitura agradável e divertida. O texto flui super fácil, a tradução é muito boa (pois tomou cuidado em evitar a linguagem chula), tem alguns trechos bem engraçados e uma boa pesquisa sobre história e mitologia. Mas os pontos positivos acabam por aí. O enredo é extremamente superficial e alguns aspectos não convencem. A estória poderia ser bem melhor se focasse mais em desenvolver seu conteúdo e menos em descrever exaustivamente os atributos do protagonista. Se torna cansativo o exagero de descrições das capacidades sexuais de Julian, e do Abdômen de Julian, e do cabelo de Julian, e de Julian de costas, de frente, deitado, em pé... Sinceramente eu acho que já sei até a cor do suor de Julian da Macedônia! E se por um lado o protagonista é perfeito, tinha que rolar o clichê da mocinha que se acha feia e que não acredita que um cara daqueles poderia dar bola pra ela...

Pra completar, metade do livro é o tal escravo morto de lindo querendo “resolver o problema” da moça e ela correndo dele por que não quer “usá-lo como ela foi usada”... Ahhhhh, por favor! Me desculpem, mas isso é surreal minha gente. Além de ser irritante, não é crível! Fora o excesso de enrolação com dúvidas se outro ama ou não ama, se conta ou não conta... enfim, muita dúvida adolescente pra um livro adulto. Existe sim uma preocupação da autora em desenvolver o crescimento da relação amorosa dos protagonistas, mas isso acaba se perdendo no meio de tantas cenas eróticas recorrentes. Quanto ao desenvolvimento dos personagens, bem, já deu pra notar que Julian tem um passado de novela mexicana, que acaba fundamentando suas atitudes, justificando sua personalidade e luta interior na adaptação de escravo sexual a habitante do século 21. Quanto à Grace eu achei um pouco forçado seu “passado traumático”. Os outros personagens contam com uma descrição bem básica e desenvolvimento inexistente.

E se você está se perguntando: cadê os Dark Hunters???  (Afinal esse é o título da série, que por sinal conta com mais de 20 livros...) Preciso informar que também tive a mesma dúvida martelando a mente e cheguei a questionar minha memória achando que deixei algum trecho importante ser ofuscado pela descrição de Julian da Macedônia dentro de uma calça jeans...  Mas não. Embora a visão de Julian em um jeans colado seja bem agradável, fui pesquisar e descobri que a autora realmente não menciona os Hunters nesse livro, pois é como se fosse uma espécie de volume zero da série.

Bom, acho que é isso. Na minha opinião o livro deixa muito a desejar, mas é um prato cheio pra quem curte esse estilo de literatura, que foca na sensualidade em 90% das páginas. Como eu disse antes é uma leitura até divertida, mas sem maiores compromissos.

9 comentários:

Gleice Couto disse...

Paulinha, amiga. Vc é ingênua. Não se leva avaliação de Skoob a sério. Tem tanta coisa tosca ali que neguinho dá 5 estrelas....HAHAHHAHAH

Olha, confesso que nem cheguei a ler a sinopse do livro. A capa me brecou de cara. E sempre que a vejo, tenho ataque de risos (HAHHAHAHAHAHHA) Mas ai vim aqui ler a sua resenha e ao me deparar com o resumo..."estória do guerreiro espartano que foi aprisionado como escravo sexual em um livro", tive outra convulsão de risos. NÃO DÁ PRA LEVAR UM LIVRO DESSE A SÉRIO. HAHAHAHAHHAHAHAHAH

" Mas é que não vejo como expressões no estilo “membro intumescido” ou “centro do seu prazer” possam acrescentar alguma coisa na minha vida literária." Fomos separadas na maternidade! CERTEZA! HAHAHHAHAHHAHAHAHAHAHAH

Não gosto de IAN. Não gosto da escrita da Ward. >.<

20 livros? Cansada só de pensar! D:

Ameeeei a resenha! Parabéns! Está fazendo um bem à humanidade ao tentar abrir os olhos do leitores pra esse troço! :D

Beijoooooooooooos

Paulinha disse...

Né???? Glê a mulher tem fôlego!!! Escreveu 20 e tantos livros com esse tema super "profundo"... kkkkkk
Vc tem razão: a capa é assustadora e o título idem! Não sei onde eu tava com a cabeça... Mas, hey, ninguém pode me acusar de não dar chance para novos estilos... kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Cida disse...

Paulinha, a Diva, que livro é este? A nova versão do Kama Sutra?
Não tenho nada contra este estilo de livros, mas acho que só descrição de atributos físicos, não leva a lugar algum. Colocar um certo clima quente nas estórias, é bacana, mas a trama tem que ter um conteúdo, e esta sensualidade toda ser somente um algo mais.
Resumindo, eu adorei sua sinceridade, e fica a opção de quem quiser se arriscar e ler boa sorte.
Eu não vou.

Bjos de Diva

Cida

Gabi disse...

Hahsuahs olha, parabéns pela resenha. Super sincera e bem humorada, mas sem deixar de ser crítica. Adorei. Tive umas boas risadas aqui, e concordei com tudo o que você disse.

Só essa capa me faz querer correr do livro, mas na verdade também não sou fã das capas de IAN (mas não se preocupe, já darei uma chance à série). E, concordando com a Gleice ali, não confie na avaliação do skoob mesmo. Eu nem olho aquela coisa ;P

Beijitos
http://www.bookpetit.com

Lilian Sinfronio disse...

HUhahauahuhauahau

“a capa é meio esquisita, mas a estória parece ser boa...” ou “É o primeiro de uma série super famosa!!!” ou ainda “Todos os blogs que eu visitei, falaram super bem!!!!!!”...

Você foi tão generosa em tentar!! Realmente a capa já faz com que meu cérebro soe todos os alarmes ^^

2012 para mim está sendo muito bom na questão de vencer barreiras literárias, mas vamos com calma ;)

Estou considerando ir ao evento de IAN aqui em Belém, mas é um começo, nada de Julian da Macedônia kkkkkkkk

Confio consideravelmente nas opiniões do pessoal do skoob, mas vc tem que considerar que só lerão esse livros pessoas que gostam de [como vc disse] 90% de sensualidade...

Acho engraçado os comentários no twitter sobre esses livros, mas sei que não seria feliz ao ler esse livro hohohoho

Se tenho que recorrer a clemencia alheia por gosto estranho de leitura, que seja pelos livros sangrentos que leio por ai afora hahaha #adoropoliciais

Bjinhos

Jujuba disse...

Ok *respira fundo*

Estava rindo até agora!! Confesso que gosto de livros HOT, afinal eu leio de tudo e gosto de muitos estilos, mas realmente livros como Amante da Fantasia e PS que invocam a 93785039181 velocidade do créu sem ter uma trama mais convincente me desestimulam de mais!!

Eu gosto quando o escritor consegue aliar a sensualidade, o erotismo com uma trama envonvelmente, de preferencia que dê uma instigada no leitor para que continuem lendo.

Outro ponto... Eu fiquei super desanimada com essa capa, nunca vi, livro erótico com capa de livro didático de história, sério!! ¬¬ A Novo Século está acabando com as capas de seus lançamentos!!

Enfim florzinha, amei demais tua resenha, ficou leve, super divertida e conseguiu passar muito o que a obra contem. Como sou super compulsiva, eu ainda lerei, mas sem expectativa alguma de realmente gostar!! =)

Mil beijinhos
Jujuba
http://diariodeleitoracompulsiva.blogspot.com.br/

Raphaela disse...

*esfregando a barriga*

aaaaaim meu bom senhor da literatura e das blogueiras que escrevem resenhas extremamente engraçadas, abençoe a Paulinha! HAHAHAHAHAHAH

Cara, tive uma sincope de risadas aqui. Chega engasguei com a coca e a minha mãe tentando me acudir e eu nao conseguia explicar o que eu tinha! hahahahaha

Enfim... desde que eu vi o lançamento eu já ESTANQUEI e falei: O QUE? Primeiro: essa capa. SEGUNDO: esse titulo. TERCEEEEIRO: esse enredo. Sério, até eu que já li um livro que fala sobre doi Irmãos que trnasam com amulher do terceiro para proteção, não conseguiu engolir essa! hahahahahaha E eu ainda te falei, quando vc disse que tinha comprado o livro, né Paulinha? hdushdushudshuds Mas sério, mesmo com todas a critica super divertida que você fez, eu fiquei curiosa, pq eu tbm queria rir e me divertir, ver até a malquice da mente humana vai. E eu aqui raxando a minha cabeça durante horas, pensando em algo legal para esrever, para tentar publicar um livro... tcs tcs tcs hahahah ME EPRESTA O LIVRO, VAI?! *olhinhos brilhantes*

hahahahaha

Sem mais. Ótima resenha!

Beijokas! :*

Raphaela
Equalize da Leitura

Érica Patricia Lopes disse...

Oi, Paulinha!

Envei o manuscrito de Londres pra ti;)
Depois olha o e-mail que mandei!

Beijos

@Gui_Stns disse...

Paulinha, tá brincando que o livro é só Julian da Macedônia dançando creu com a traumatizada...

Como a maioria disse, essa capa já soa alarmes, porque tem cara de livro de banca (Nada contra que lê, cada um com seus gostos, mas só erotismo não vai, força muito a barra "o seu membro rijo mostra todo o seu desejo..." (E vai pra frases piores... KKK)

Tive uma crise de riso com a sua resenha, porém vou ficar só com a resenha mesmo, pois como dito por você esse livro não é nada aproveitável!

Postar um comentário