quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Assistindo Livros: Especial Oscar - O Artista


Ainda não decidi se O Artista é uma homenagem à sétima arte ou uma verdadeira aula de como fazer um grande filme! Um filme que, mesmo mudo, diz tanto, que chega a questionar a real necessidade de palavras em certas situações. Sim, é um filme mudo e em preto e branco! Mas quer saber? A gente nem sequer lembra desse detalhe quando o filme começa... pra quê vozes? Temos atores talentosamente expressivos, uma trilha sensacional, detalhes técnicos impecáveis e a sutileza de uma estória encantadora, capaz de conquistar públicos de todas as idades.

O Artista nos apresenta o grande George Valentin, o astro mais popular e carismático do cinema mudo. Um filme de Valentin era garantia de sessão lotada, bilheteria esgotada com antecedência. E ele, vaidoso, tinha certeza de seu sucesso: sabia que aquelas pessoas estavam ali para VÊ-LO. Mas eis que, em uma de suas aparições públicas, Valentin literalmente esbarra em uma fã e para se sair da situação sem perder o rebolado, posa para os jornais ao lado da moça. Peppy Miller, a então misteriosa moça da foto com Valentin, era uma dançarina aspirante a atriz. 


Valentin a ajuda no início de sua carreira e nasce um sentimento mútuo ali. Só que a vida dos dois vira uma gangorra, quando a indústria cinematográfica começa a ver, ou melhor, OUVIR os avanços da tecnologia. Valentin dá gargalhadas da nova idéia absurda de inserir vozes no cinema. Recusa a aceitar essa transição, adaptar-se aos novos tempos e trava uma batalha pessoal  pra provar que o cinema mudo é o que o público deseja. Enquanto isso, Peppy abraça a novidade e sua carreira sobe vertiginosamente. O orgulho de Valentin não o deixa ver que o tempo não para. E a gratidão (e paixão) de Peppy faz com que se recuse a assistir a decadência do amigo, que se torna um homem “atormentado pelo som”.


O filme é uma verdadeira viagem no tempo, do figurino fantástico às apresentações no cinema com direito a orquestra fazendo fundo musical. Os protagonistas nos conquistam desde a primeira cena! Seus rostos expressam emoções de todos os tipos, o timimg da comédia é perfeito e a linguagem corporal capta cada minuto da nossa atenção. Desde um “duelo”de pernas a uma cena com um cabide, não há absolutamente nenhuma parte desse filme que não nos transmita uma mensagem. Tal como a gangorra que mencionei anteriormente, uma cena em uma escada, representa a principal delas: Peppy sobe o tempo todo e Valentin desce cada vez mais! Para mim, nada mais é que uma forma de nos mostrar que precisamos vencer os preconceitos, estar abertos a mudanças, ser capazes de se nos adaptar e ter humildade para reconhecer erros e aprender com eles.


Outro ponto alto da trama que não posso deixar de destacar é o personagem canino Uggie, o melhor amigo de Valentin! Fala sério, o cachorro merecia uma indicação de melhor ator coadjuvante! Brincadeiras a parte, o elenco é primoroso. E diria que, é só por causa de algumas caras conhecidas como John Goodman e Penélope Ann Miller que a gente se dá conta de que não é um filme antigo! 


Em tempos de filmes 3D e excessos de tecnologias é realmente surpreendente que um filme simples e sem efeitos especiais saia colecionando tantos prêmios e seja o favorito para o Oscar. Mas é de fato merecido! O filme é uma obra-prima! Todos os elementos estão lá: a comédia, o drama, a aventura. E você só precisa VER para SENTIR. Por isso convido você a deixar o preconceito de lado e viajar pelas expressões de Jean Dujardin e Bérénice Bejo!

5 comentários:

Taynah disse...

Perguntei a Caio, "Ei, tu tem leg...", aí parei no meio porque lembrei que o filme é mudo e o que aparece em inglês é pouca coisa. Jumenta! UAhauhHAhaHUAHha
"Em tempos de filmes 3D e excessos de tecnologias (...)". Eu acho que é justamente por isso que esse filme tá na boca do povo, vai de encontro a tudo que tem sido feito. Aí é que tá a originalidade e a real diferença desse p/ outros. Esse daí se destaca no meio da multidão e com certeza será visto nesse feriadão.

marla disse...

Olá,
Não conheço esse filme, mas adoro filmes antigos principalmente musicais. Aceitei o seu convite e passei para conhecer o seu blog, aproveito pra convidar você para conhecer o meu.
*bye*

loucaporromances.blogspot.com

Vanilda disse...

Minhas sessões de cinema estão se resumindo aos infantis, já que tenho uma pequena em casa. Mas esse filme deve ser muito bom. Menos tecnologia e mais história. Vamos ver se a premiação se confirma e ele será um dos grandes vencedores do Oscar.

Kel Costa disse...

Ah, ultimamente quase não tenho tido muito tempo pra ver filmes, então dou preferência aos lançamentos rs Tô passando longe de preto e branco :p

Bjs,
Kel
www.itcultura.com

Thaddeus disse...

pois, é..esse filme não deve estar concorrendo ao oscar 2012 à toa...acho corajoso a iniciativa de reportar à época do cinema-arte, não apenas entretenimento...e ainda assim,acertar na criação de uma obra deliciosa... resenha me deixou com água na boca ,by the way...

Postar um comentário